Home / CONHEÇA O AMAZONAS / Ribeirinhos da Amazônia

Ribeirinhos da Amazônia

As populações ribeirinhas, são povos que vivem nas beiras dos rios da região Amazônica. Quando moram próximos às cidades, geralmente são extremamente pobres e sofrem com as poluições dos rios(esgoto) assoreamentos e a erosão.

1617135_390068594500664_2093115063253214446_o

Foto:portaldoamazonas.com/Edson Piola

A comunidade ribeirinha da Amazônia vive em casas de palafitas. As atividades desempenhadas por esta população são o artesanato e a agricultura, sabendo que a maioria das culturas e criações de animais são complementares à alimentação como caça, pesca e extrativismo vegetal.

Foto:portaldoamazonas.com/Edson Piola

Foto:portaldoamazonas.com/Edson Piola

Na época das grandes enchentes é a população que mais sofre pela cheia que invade suas casas. Para isso usam o recurso de subir o piso das casas de palafita com tábuas para que as águas não os alcancem. Por conta dos aspectos geográficos do país, é na Amazônia que está a maior parte dessa população. Além das populações nativas, somam-se a esta categoria descendentes de migrantes do Nordeste do país. Por residirem em um ambiente onde a força da natureza se faz presente, os ribeirinhos aprenderam a viver em um meio repleto de limitações e desafios impostos pelo rio e pela floresta.

1014070_387900861384104_4403421600682350175_n

Suas moradias são construídas utilizando a madeira como principal alternativa de construção. Construídas alguns metros acima do nível do rio para evitar que sejam  invadidas pelas águas durante as enchentes, as palafitas ainda possuem a tecnologia de uso de tábuas para subir o piso nos períodos de cheia.

O rio possui um papel fundamental na vida dos ribeirinhos. É através dele que são estabelecidas as ligações entre as localidades com a utilização de jangadas e barcos como o único meio de transporte. O rio é sua rua. É nele também que os ribeirinhos executam uma das principais atividades que lhes proporciona fonte de renda e de sobrevivência: a pesca.

Veja Também

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*