Malária: Amazonas fecha 2022 com menor número de casos da doença dos últimos quatro anos

Facebook
Twitter
WhatsApp
FOTO: Divulgação/FVS-RCP

O Amazonas encerrou o ano de 2022 com a notificação de 50.514 casos de malária. O dado representa redução de 17,4% em relação a 2021 (61.166 casos) e é o menor número de casos da doença nos últimos quatro anos. Os dados são consolidados pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), vinculada à Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM).

Foram registrados 58.907 casos em 2020, 65.304 casos em 2019 e 73.411 casos em 2018 da doença. Os dados, fornecidos pelos municípios, podem ser encontrados no painel de indicadores de malária no Amazonas, disponível em https://bit.ly/3xMxg5s.

A gerente de Doenças de Transmissão Vetorial – Malária da FVS-RCP, Myrna Barata, destaca que a malária é uma das principais doenças endêmicas no estado. “O Amazonas tem um trabalho fortalecido no combate à malária, em conjunto com todas as secretarias municipais de saúde, com o objetivo de eliminar a doença no estado”, destaca.

Myrna ressalta que diversas ações foram adotadas para que houvesse a redução de notificações de malária, como o investimento em equipamentos para o combate à doença nos municípios (como bombas de borrificação intradomiciliar), botes e microscópios para fortalecer as ações de enfrentamento que são realizadas.

“É o investimento do Governo do Estado, por meio da FVS-RCP, para o fortalecimento dos programas municipais e garantir que as ações de prevenção, controle e eliminação da doença sejam executadas de forma contínua, nas localidades prioritárias para a malária. Com isso, conseguimos esta redução notável nos últimos anos”, pontua Myrna.

O Amazonas tem o compromisso de eliminação da malária até 2035. A meta faz parte do plano nacional do Ministério da Saúde para diminuir o número de casos autóctones (transmitidos dentro do país) da doença para menos de 68 mil até 2025, reduzir a quantidade de óbitos para zero até 2030, e eliminar no território brasileiro até 2035.

Para alcançar esse cenário, diversas ações da Vigilância Ambiental foram realizadas em todo o estado no enfrentamento da malária. Supervisões técnicas aos municípios do interior, borrifações intradomiciliares e distribuição de mosquiteiros impregnados para os municípios foram algumas das ações realizadas no Amazonas.

Durante o ano de 2022, foram realizados 623.034 exames para diagnóstico, dos quais 31.660 foram tratados, incluindo tratamento dos pacientes que apresentaram recaída da doença.

No dia Mundial de Luta Contra a Malária, celebrado no dia 25 de abril, foi lançado o painel para acompanhar o cenário epidemiológico da doença no estado, com os indicadores de casos novos positivos, discriminados por ano e por mês, distribuição dos casos novos positivos por áreas, por faixa etária, por sexo e início de tratamento após a data dos primeiros sintomas.

Com uso do medicamento tafenoquina, o tratamento da malária vivax é realizado em três dias. Manaus e Porto Velho (RO) são as primeiras cidades do mundo a utilizarem a medicação para o estudo. A iniciativa é do Ministério da Saúde e, no Amazonas, é ação integrada entre SES-AM, FVS-RCP, Fundação de Medicina Tropical – Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) e Secretaria Municipal de Saúde de Manaus (Semsa/Manaus).

A FVS-RCP participou, em junho de 2022, em Boston, nos Estados Unidos, do Curso de Ciência da Erradicação: Malária – desenvolvimento de liderança, realizado pela Universidade de Harvard, que teve por finalidade promover pautas relacionadas à malária, como as novas estratégias da Organização Mundial da Saúde (OMS) de controle e inovações no tratamento, visando a erradicação da doença.

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email
Telegram
Print

MATÉRIAS RELACIONADAS

AMAZONAS

TCE - EM PAUTA

MANAUS

ASSEMBLEIA EM PAUTA

CÂMARA EM PAUTA

SÉRIE O AMAZONAS