Governo do Amazonas apoia projeto que desbrava uma das regiões menos conhecidas da Amazônia no estado

Facebook
Twitter
WhatsApp
FOTOS: William Magnusson/Acervo pessoal

A construção de trilhas ecológicas na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro (RDS Rio Negro) está permitindo o acesso a informações da biodiversidade local, a coleta de material da fauna e flora, e o levantamento de dados de uma das regiões da Amazônia mais desconhecidas cientificamente no estado. As ações integram o projeto “Biodiversidade e Turismos na RDS Rio Negro” apoiado pelo Governo do Amazonas, via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

De acordo com o coordenador do estudo, o doutor em Ciências Biológicas, William Magnusson, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), o projeto monitora diversos pontos e regiões da RDS.

“Até o momento, foi instalado completamente um módulo de amostragem da biodiversidade no ramal do Km 50 da AM-352. Este módulo tem 12 quilômetros de trilhas. Um outro módulo está sendo construído no ramal do Km 12″, destacou.

FOTOS: William Magnusson/Acervo pessoal

O projeto, em andamento, já proporcionou a realização de um minicurso sobre turismo ecológico voltado para as comunidades que cercam a reserva, permitindo assim a capacitação dos participantes. Além disso, foram produzidos dois livretos, nos formatos impresso e digital, sobre a fauna das aves e dos sapos da região, para serem utilizados por guias turísticos e estudantes.

Ainda de acordo com o pesquisador, mais dois livros com dados científicos coletados pelo projeto estão em fase de produção. As obras são sobre cobras venenosas que habitam a região e processos ecológicos em florestas de areia branca, como é o caso da RDS do Rio Negro.

FOTOS: William Magnusson/Acervo pessoal

Ao todo, 16 pesquisadores, incluindo especialistas em aves, morcegos, borboletas, formigas e sapos, integram o projeto. Os colaboradores da pesquisa são vinculados ao Inpa, à Universidade Federal do Amazonas (Ufam), à Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e à Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

O projeto foi iniciado em janeiro de 2022, e a previsão de conclusão é em julho de 2023.

Criada em 2008, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro tem área total de 103.086 hectares. A Unidade de Conservação está localizada no estado do Amazonas, e abrange os municípios de Manacapuru, Iranduba e Novo Airão, sendo constituída em sua totalidade por vegetação de floresta Ombrófila Densa.

A pesquisa recebe apoio da Fapeam via Programa Biodiversa/Fapeam: CT&I para Ambiência e Biodiversidade no Estado do Amazonas, Edital nº 007/2021.

FOTOS: William Magnusson/Acervo pessoal

O programa apoia propostas de pesquisa científica, tecnológica e/ou de inovação, ou de transferência tecnológica, coordenadas por pesquisadores residentes no estado do Amazonas, vinculados às instituições de pesquisa ou ensino superior ou centros de pesquisa de natureza pública ou privada sem fins lucrativos.

São atendidos projetos voltados para caracterização, conservação, restauração, uso sustentável do meio ambiente e exploração sustentável da diversidade amazônica, com vistas à produção de conhecimentos que contribuam para o enfrentamento dos problemas ambientais amazônicos e subsidiem a formulação de políticas públicas de conservação ambiental no Amazonas.

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email
Telegram
Print

MATÉRIAS RELACIONADAS

AMAZONAS

TCE - EM PAUTA

MANAUS

ASSEMBLEIA EM PAUTA

CÂMARA EM PAUTA

SÉRIE O AMAZONAS