Canutama no Amazonas participou da Segunda Guerra Mundial

Canutama é um município brasileiro do interior do estado do Amazonas, Região Norte do país. Pertencente à Mesorregião do Sul Amazonense e Microrregião do Purus, possui uma população de 15 312 habitantes, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2016.

Durante os seus primórdios, recebeu várias denominações: em 1874, foi fundada com o nome de Nova Colônia de Bela Vista, e em 1891 passou a se chamar Vila de Nossa Senhora de Nazaré. Somente a partir de 1895 recebeu o nome atual, Canutama.

Fundação e povoamento

O povoamento e desenvolvimento do município de Canutama confunde-se com o início das explorações e expedições no rio Purus. Este, um dos grandes afluentes do rio Amazonas, começou a ser explorado no início da segunda metade do século XIX, tendo como pioneiros alguns coletores de drogas do sertão, muitos deles nordestinos.

O grande nome ligado à fundação do município de Canutama é o de Manuel Urbano da Encarnação, embora muitos nomes, como o de João Cametá, William Clandles, Serafim Salgado e Frei Pedro Coriana também estejam correlacionados e sejam notáveis.

Segundo relatos de antigos moradores, Canutama ainda viveu na “época dos coronéis”. Os coronéis (os amazônicos) eram verdadeiros pioneiros, homens sob cuja responsabilidade eram entregues a colônia e os criados, para povoar e desenvolver a “vila”. Na verdade, eram homens de “confiança” dos exploradores, bravos o bastante para decidirem ficar nas profundezas da selva amazônica, distantes do mundo urbanizado e moderno da época; às vezes, a viagem até à Província demorava meses. Em troca eles recebiam poderes de “coronel”.

Em Canutama, assim como no Brasil colonial, o coronel era uma figura múltipla. Concentrava, na prática, os três poderes: era, ao mesmo tempo, uma “espécie” de “prefeito”, de “delegado”, “juiz” e “legislador”. Um “coronel” canutamense bastante lembrado pela população local, e que inclusive dá nome à principal avenida de Canutama, é o “Coronel Botinelly”.

A fundação e os nativos

Manuel Urbano da Encarnação era mestiço, porém bastante influente no Governo da Província (próximo a João Batista de Figueiredo Tenreiro Aranha) e conhecido por sua consumada habilidade em explorar o Purus. Na época em que chefiou a sua expedição, sob a ordem de Tenreiro Aranha, já viviam na região desse rio os índios Juma. E como ocorreu na Amazônia, de uma forma geral, o contato entre índios e não-índios foi inevitável e, como todos sabemos, o extermínio de grupos indígenas, também, assim como a intensa miscigenação entre indígenas e brancos, dando origem ao caboclo, o mestiço amazônico.[6] Dizem que, embora os jumas fossem conhecidos como uma população “guerreira”, “sempre defendendo o seu território e evitando um contato permanente com os não-índios”, a sua população foi diminuindo drástica e proporcionalmente ao avanço da “civilização”.[7] Um dos fatores que levou a isso foi a chegada de grandes barcos com migrantes nordestinos, para trabalhar no extrativismo, no Período Áureo da Borracha. O que ocorreu, a partir de então, foi um aumento do contato com os “brancos” e a diminuição de territórios indígenas, que já não eram tão numerosos quanto antes. Sabe-se também que “expedições punitivas eram organizadas por firmas colonizadoras, por companhias de navegação e proprietários de terras”.

Foto IEB

Uma tribo que não aceitava ser “amansada”

A região do Purus foi muito ligada a massacres de índios nos seus primórdios. Segundo o historiador Kroemer, houve, no rio Mucuim, entre os anos de 1940 e 1965, um extermínio sistemático do grupo indígena que ali vivia: os jumas.[8]

Rio Purus:um dos 10 maiores do mundo.

 

Alguns antropólogos acreditam que os jumas já fizeram, outrora, parte do grupo tupi-kawahib, “um povo que migrou para a região do rio Madeira no século dezessete” [9]. E que logo após uma ou duas gerações, um grupo formado por três mil índios saíram desse grupo para formar a sua própria tribo. Eles se denominaram juma, enquanto as tribos vizinhas os chamavam de “povo gigante dos pés grandes”.[10]

Kroemer relata que moradores locais “conheciam” os Juma como sendo antropófagos e perversos. Há relatos de ataques de índios Juma a não-índios que causaram revoltas em Canutama. Em casos como esse, era comum a população local se organizar em grupos armados para exterminar os Juma. Por vezes, o delegado de polícia da cidade impedia tal ação. Inclusive, sabe-se de um relato de um grupo de peruanos trazidos a Canutama que efetuaram uma chacina no rio Jacaré. E ainda houve um juiz na cidade de Lábrea, por nome de Orlando Franca, homem de negócios, o qual ofereceu um “prêmio em dinheiro” para aquele que trouxesse “o maior número de orelhas de índios juma”[11]. Conta a história que neste mesmo ano um grupo de 35 caçadores, autodenominados “o Batalhão da Vingança” marcharam em busca dos últimos assentamentos organizados por povos Juma. Fatos como esse foram noticiados até mesmo no Los Angeles Times [12].

De acordo com Kroemer [13], o etnocídio definitivo ocorreu no ano de 1964, no igarapé da Onça. Pouco antes disso, chegou a Canutama missionários do SIL —Summer Institute of Linguistics. No final da década de 1970 eles formalizaram denúncia, pelo Jornal Porantin [14], definindo o que ocorrera em Canutama como “genocídio”.

Ainda hoje índios vivem em áreas do município, como os índios catawixi, os quais vivem na área de influência do rio Mucuim.[15] Sabe-se também que entre os municípios de Pauini, Tapauá, [16] Canutama e Lábrea, consta a presença de mais sete povos [17], entre eles os suhuarás, “o Povo do Veneno”.[18] Homens como Gunter Kroemer, antropólogo, indigenista, membro do Conselho Indigenista Missionário (CIMI)[19], lutam pela sobrevivência dessas populações.

Canutama na Segunda Guerra Mundial

O município contribuiu com homens, os quais se integraram ao exército brasileiro e aos aliados para salvar o mundo livre durante a Segunda Guerra Mundial. Hoje, muitos dos moradores do município são descendentes de”veteranos”.

De acordo com alguns veteranos, o “contingente canutamense” partiu em um navio-motor (alguns dizem ter sido o navio “Jota Leite”) e chegou a Manaus. Já na capital, eles teriam passado por treinamentos e adestramentos, como tiro ao alvo e outras técnicas. Como a guerra já se aproximava do fim, quando partiram, o mais próximo que chegaram do “olho” do conflito mundial foi até à Guiana Francesa, para de lá embarcarem em navios e atravessarem até a África. O que, de fato, não ocorreu.

Fontes: IBGE e Wikipédia

Close