Boi Manaus 2022 recebe certificação Selo Sustentabilidade Tesouro Verde, do BMV

Facebook
Twitter
WhatsApp
Fotos – Antônio Pereira e Dhyeizo Lemos / Arquivo Semcom

O Boi Manaus 2022, que aconteceu nos dias 21, 22 e 23/10, no Centro de Convenções de Manaus, o sambódromo, realizado pela Prefeitura de Manaus, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), teve sua primeira edição sustentável. O evento recebeu o Selo Sustentabilidade Tesouro Verde, concedido pelo Grupo Brasil Mata Verde (BMV).

Segundo o prefeito de Manaus, David Almeida, a certificação foi obtida por meio da aquisição de 243 Unidades de Crédito de Sustentabilidade (UCS) homologadas dentro do programa BMV, que atesta o compromisso com a preservação do meio ambiente pela organização do evento.

“Ao adquirirmos o Selo Sustentabilidade Tesouro Verde, contribuímos para evitar a emissão de 243 toneladas de gás carbônico, estamos conservando mais de 143.88 metros quadrados de área de floresta nativa e, ainda, influenciando a preservação de mais de 1,7 mil espécies de fauna por hectare e, 546 espécies de flora por hectare”, comemorou David Almeida.

O Boi Manaus, que fez parte da programação comemorativa dos 353 anos da cidade, contou com mais de 20 horas de shows, com 47 atrações distribuídas em 24 trios elétricos durante os três dias de programação, no sambódromo.

O diretor-presidente da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Alonso Oliveira, ressaltou que há algum tempo vem adotando ações com o objetivo de reduzir os impactos ambientais durante eventos realizados pela pasta que preside.

“Assumimos um compromisso com a sustentabilidade. Contribuir com a redução de resíduos e mudanças climáticas é um dever de todos nós. A Manauscult, como produtora cultural e de grandes eventos na cidade, não poderia deixar de atender essa exigência do meio ambiente. Desde o #Sou Manaus que estávamos perseguindo o selo e agora ele chegou”, concluiu Oliveira.

A metodologia desenvolvida pelo BMV conta com o respaldo científico da Universidade Estadual Paulista (Unesp), que verifica a aferição da biodiversidade das florestas que integram os projetos. Além disso, todo o protocolo é chancelado pela principal certificadora do mundo, especializada em inspeção, testes e certificação ambiental, a suíça SGS, garantindo que a operação seja a mais sustentável possível.

“É com muita satisfação que estivemos nessa festa tão importante para Manaus, e, esperamos, que seja a primeira de muitas, já que buscamos expandir para outros eventos. Isso mostra o comprometimento do setor cultural com a preservação e a melhoria do meio ambiente”, afirma a economista Maria Tereza Umbelino, CEO e fundadora do Grupo BMV.

Sobre o Grupo BMV

O Grupo Brasil Mata Viva é uma greentech brasileira que atua de forma completa na estruturação de negócios para o mercado ESG, com novas soluções para antigos problemas, de forma integrada, inovadora, demonstrável e confiável, tendo como base a tecnologia.

Tendo como missão viabilizar a conservação da biodiversidade e ecossistemas das florestas nativas em todo o Brasil, apoiando as comunidades adjacentes, líderes ambientais e responsáveis legais de cada área, o BMV oferece produtos e programas para investidores, produtores rurais, empresas, governo etc.

A empresa foi destaque na COP 26, apresentando o único case que atendia todos os requisitos, para ser uma inovação em temas relacionados a mudanças climáticas. O BMV utiliza tecnologias como blockchain, que permitem a rastreabilidade de todas as etapas.

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email
Telegram
Print

MATÉRIAS RELACIONADAS

AMAZONAS

TCE - EM PAUTA

MANAUS

ASSEMBLEIA EM PAUTA

CÂMARA EM PAUTA

SÉRIE O AMAZONAS