Maternidade Ana Braga completa 18 anos de história

Na unidade, albergue recém-inaugurado acolhe mães de bebês prematuros do interior do estado que necessitam permanecer internados

Referência no atendimento de urgência e emergência obstétrica e neonatal, a Maternidade Ana Braga, unidade da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), completa 18 anos de existência, nesta terça-feira (10/05). A maternidade, localizada no bairro São José, zona leste de Manaus, celebra um novo momento com melhorias na estrutura e no atendimento aos bebês e às gestantes de risco habitual e de alto risco.

A diretora da maternidade, Júlia Lisboa, destacou os avanços na unidade. “Hoje temos um atendimento humanizado. Antes a gente tinha pacientes que viam e não eram escutadas, não tinham as dúvidas respondidas. Mudamos essa imagem da maternidade. As pessoas entendem que somos de alto risco, a maioria das pacientes já vem para cá grave e recebe mais cuidado, mais amor. Todos os profissionais abraçaram essa causa, que esse é o legado, tornar uma maternidade humanizada”, disse a diretora.

Foto de Daniel Oliveira/SES-AM

Em 2021, a unidade ofertou pronto atendimento a mais de 28 mil mulheres, contabilizou mais de 7,5 mil partos realizados por médicos e enfermeiras obstetras, além da execução de mais de 260 mil exames.

Moradora de Manaquiri (a 60 quilômetros da capital), Jaqueline Santos, de 28 anos, deu à luz o seu terceiro filho, Miguel, no dia 4 deste mês, e ressaltou o atendimento multiprofissional que recebeu na maternidade. “Fui superbem atendida. Meu parto foi rápido. Minha cesárea foi ótima, estou firme e forte e querendo ir para casa. Tenho só a agradecer”, disse a puérpera.

A maternidade também é referência no Serviço de Atendimento às Vítimas de Violência Sexual (Savvis), possui um programa de Planejamento Familiar, que auxilia no controle da natalidade e realizou 359 laqueaduras no ano passado, e um Banco de Leite Humano (BLH) que contabilizou a doação de mais de 474 litros de leite de janeiro a abril deste ano, beneficando 980 bebês prematuros que nasceram na unidade.

A enfermeira Alexandra Ramos trabalha na maternidade desde a inauguração, em 2014. Ela ressaltou o empenho dos profissionais e as melhorias na unidade para assistência às mães e aos bebês.

“A gente aqui se empenha bastante para que a ‘clientela’ tenha um atendimento bem aparado. Foi inaugurado o albergue, uma ótima opção para as mãezinhas do interior. A gente passou por tantas coisas, por uma pandemia que não foi fácil. Tivemos que nos virar em mil, porém estamos mais satisfeitos porque, apesar de todo esse desconforto, a Ana Braga sobreviveu”, contou a profissional.

O albergue da maternidade foi inaugurado na última quarta-feira (04/05) e conta com 10 leitos para acomodar mães de recém-nascidos que necessitam permanecer internados por conta da prematuridade ou doenças crônicas, em leitos de Unidade de Terapia Neonatal (UTIn).

Desde 2020, a unidade é referência no atendimento de grávidas e puérperas com Covid-19 no Amazonas e dispõe de duas portas de entrada, sendo uma exclusiva para pacientes com o diagnóstico da doença, além de enfermarias e centros cirúrgicos separados, evitando a proliferação e contaminação pelo vírus para as demais pacientes da maternidade.

Reconhecimento – A maternidade receberá uma homenagem da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) pelos serviços prestados à sociedade amazonense, nesta terça-feira.

Related Articles

Check Also

Close
Close