Governo do Estado apoia pesquisa sobre potencial de plantas amazônicas contra obesidade, colesterol e células tumorais

Estudo recebe apoio da Fapeam, por meio do Programa Universal

Extratos da casca de uxi amarelo, planta nativa da Amazônia, apresentaram potencial para diminuir os níveis de colesterol e retroceder a evolução da obesidade em camundongos, indicam testes realizados em laboratório, no âmbito de um projeto apoiado pelo Governo do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). O estudo atestou ainda a capacidade antioxidante e antimicrobiana da carapanaúba, planta que tem eficácia no combate a células tumorais.

FOTOS: Érico Xavier/Fapeam

De acordo com a coordenadora da pesquisa e doutora em Química Orgânica, Rita de Cassia Nunomura, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), os animais tratados com extratos de uxi amarelo demonstraram perda de peso significativa após o período de 40 dias, quando comparado com o grupo de roedores que não recebeu tratamento com a planta.

“O objetivo foi avaliar a influência da administração do extrato de uxi amarelo sobre a obesidade através de camundongos com obesidade induzida por ração experimental”, apontou a pesquisadora.

No estudo, informou Rita, os animais foram divididos quatro grupos, cada um com seis camundongos machos, sendo o grupo I de controle, alimentado com ração comercial, e os demais grupos alimentados com ração para indução da obesidade. “Os grupos II e IV receberam o extrato aquoso de uxi na forma de tratamento e prevenção, respectivamente, e ao final, foram avaliados os níveis de colesterol total e triglicerídeo”, explicou.

FOTOS: Érico Xavier/Fapeam

Plantas amazônicas

O projeto abordou o estudo da composição química e atividade biológica de três espécies de plantas consideradas medicinais pela população. A partir disso, a pesquisa verificou questões de eficácia e segurança científica do carapanaúba, do jucá e do uxi amarelo, sendo a última com maior capacidade para promover melhoras nos níveis de colesterol e na redução de peso dos camundongos testados.

Dados alcançados por meio da pesquisa também indicaram que extratos de carapanaúba apresentaram resultados promissores no combate a células tumorais e possuem atividade antioxidante significativa.

Impactos

Segundo Rita de Cassia, o estudo vai possibilitar futuros estudos sobre a produção e a autenticação de novos medicamentos e fitoterápicos, para o acesso da população, diante das atividades antioxidante e anti-obesidade observadas nas plantas analisadas.

Além disso, a pesquisa demonstra a importância das espécies nativas da Amazônia e contribui para a manutenção da floresta em pé, por meio da utilização científica de espécies de modo biossustentável.

Participantes

Doze pesquisadores vinculados à Ufam, ao Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e à Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) participaram da pesquisa “Química e farmacologia de plantas amazônicas utilizadas para o tratamento de inflamações uterinas e obesidade”, iniciada em 2018 e finalizada em 2020.

FOTOS: Érico Xavier/Fapeam

Universal

O projeto intitulado “Química e farmacologia de plantas amazônicas utilizadas para o tratamento de inflamações uterinas e obesidade” recebeu apoio da Fapeam, via Edital nº 002/2018 do Programa Universal.

O programa financia atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, ou de transferência tecnológica, em todas as áreas do conhecimento, que representem contribuição significativa para o desenvolvimento socioeconômico e ambiental do Amazonas em instituição de pesquisa ou ensino superior ou centro de pesquisa, público ou privado, sem fins lucrativos, com sede ou unidade permanente no estado.

Machado Edson

REDAÇÃO PORTALDOAMAZONAS.COM (92) 3877-4539 contato@portaldoamazonas.com / socorromaia@portaldoamazonas.com/danielmanauara@portaldoamazonas.com

Related Articles

Check Also

Close
Close