Detran-AM retira de circulação mais 36 ônibus irregulares que operavam no transporte coletivo e ganha apoio da OAB


O Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM) ganhou reforço da seccional do Amazonas da  Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) na ações que o órgão desencadeou para exigir a regularização dos veículos usados pelas empresas que operam no sistema de transporte coletivo de passageiros na cidade de Manaus. A parceria foi anunciada pelo presidente do Detran-AM, Vinicius Diniz, durante entrevista coletiva para divulgar o resultado de operações realizadas entre a noite de quinta-feira (16/11) e madrugada de sexta-feira (17/11), quando foram retirados de circulação 36 ônibus, de cinco empresas que operam no sistema.

As empresas com veículos retidos foram Global Green, Vegas Manaus, Trans Manaus, Trans Amazônia e Eucatur. Os veículos, que se juntaram a outros oito que ainda estão no parqueamento do Detran-AM aguardando que os proprietários regularizem a situação deles, estão com o Licenciamento Anual em atraso desde 2012, mau estado de conservação (pneus carecas, pára-brisa quebrado, cadeira do motorista solta, entre outros) e alguns usam placas clonadas de outros veículos.

“A maior preocupação do Detran e do Governo do Estado é com a segurança das pessoas que utilizam o transporte público aqui, na capital, e que diariamente estão sujeitas a serem vítimas de acidentes, porque a maioria dos ônibus removidos ao parqueamento estavam sem condições mínimas de trafegar”, afirmou Vinicius Diniz.

 

O gestor reiterou que a função do Detran-AM é fiscalizar e retirar esses veículos de circulação para preservar a vida do cidadão que depende do transporte público. Vinicius Diniz destacou que a parceria com a OAB vai auxiliar o órgão na fiscalização e cumprimento da Lei.

Qualidade e segurança – O presidente da Comissão de Prerrogativas da OAB, Alan Johnny Feitosa da Fonseca, que representou o presidente da entidade na coletiva de imprensa, disse que a partir de agora a Ordem vai acompanhar a situação dos veículos do transporte coletivo, junto com o Detran-AM, para “assegurar que a população receba um serviço de qualidade e com segurança”.

Ação Civil Pública – Alan Johnny da Fonseca informou que a OAB já estuda a possibilidade de ingressar com uma Ação Civil Pública contra as empresas que operam no sistema de transporte coletivo de Manaus, por desobediência ao Código de Trânsito Brasileiro, já que não licenciam seus veículos, não pagam, sequer, o Seguro de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT), obrigatório para a cobertura de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres, ou por sua carga, e ainda por utilizarem veículos sem as mínimas condições de segurança para conduzir passageiros que pagam pelo serviço prestado por eles, por meio de concessão pública.

O diretor-presidente do Detran-AM, Vinicius Diniz, disse que as fiscalizações vão continuar e que aguarda os proprietários dos veículos retidos para regularizar a situação, para que eles voltem a operar no sistema o mais rapidamente possível, prestando um serviço seguro e de qualidade à população.

PORTAL DO AMAZONAS.COM

REDAÇÃO- (92) 3877-4539 contato@portaldoamazonas.com / socorromaia@portaldoamazonas.com/danielmanauara@portaldoamazonas.com

Related Articles

Check Also

Close
Close