Conselheiros municipais de saúde recebem informações sobre zika vírus em Manaus

As atuais estratégias de combate ao Aedes aegypti adotadas pela Prefeitura de Manaus e a importância da participação popular, de forma ativa e permanente, na prevenção à dengue, zika vírus e chikungunya foram os temas abordados pelo secretário municipal de saúde, Homero de Miranda Leão Neto, na quarta-feira (16), durante a reunião ordinária do Conselho Municipal de Saúde (CMS) no auditório da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

cox

O secretário, que também preside o conselho, falou aos conselheiros, sobre os prejuízos para a saúde pública e os danos sociais decorrentes da transmissão das três doenças, em especial do zika vírus, principal foco dos esforços governamentais.

Durante a apresentação, a infecção por zika recebeu especial atenção, pelas graves consequências às gestantes. De acordo com o secretário, o zika vírus foi descoberto em 1947, em uma floresta na Uganda, e teve a primeira vítima registrada em 1952. “É uma doença que em 80% dos casos não apresenta os sintomas. Nos bebês em formação, porém, é diferente. O vírus ataca o tecido neurológico. Os neurônios não se recuperam, há uma calcificação e o crânio não se desenvolve como o esperado”, explicou o secretário. Segundo Homero de Miranda Leão Neto, 90% desses pacientes terão consequências motoras, oculares e neurológicas irreversíveis.

De acordo com dados da Semsa, até 10 de março, foram notificados 1.142 casos suspeitos de infecção por zika vírus em Manaus. Desse total, 86 foram confirmados, sendo 44 em gestantes. Os casos de microcefalia totalizam oito registros, sendo que um já foi descartado.

O secretário de saúde apresentou, também, medidas  tomadas pelo poder público municipal para controlar o Aedes aegypti e evitar a expansão das três doenças. Lembrou o Estado de Emergência decretado no início de dezembro do ano passado e a mobilização municipal que envolveu mais de cinco mil servidores em todas as zonas da cidade, realizada no dia 19 do mesmo mês. “Este movimento colocou Manaus em uma situação de vanguarda nesse combate”, disse Homero.

“Nas 318 unidades de saúde da Semsa foram implantadas Brigadas de Combate ao Aedes. Esta capacitação está acontecendo, também, em outras instituições públicas e privadas para que o trabalho seja permanente”, reforçou Homero, referindo-se à verificação semanal dos locais com água parada nesses ambientes. Até o momento, estão em ação 1.161 brigadas, com 3.817 pessoas capacitadas. O serviço de treinamento para formação de brigadas é gratuito e pode ser agendado pelo número 0800 280 8 280.

LIRAa

O secretário apresentou, ainda, o resultado do primeiro Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 2016. Entre 18 de janeiro e 05 de fevereiro, profissionais do órgão visitaram mais de 29 mil imóveis, em todos os bairros da cidade, identificando os de maior incidência de larvas do mosquito.

O estudo apontou que Manaus apresenta médio risco de transmissão, mas 17 bairros estão com alto risco: Jorge Teixeira, São José, Zumbi, Armando Mendes, Coroado e Tancredo Neves (zona Leste); Novo Aleixo, Cidade de Deus e Cidade Nova (Norte); Redenção, Planalto, Alvorada e Dom Pedro (Oeste); Praça 14, Japiim, Parque 10, e Flores (Sul).

Estratégias

A adoção de drones para auxiliar as equipes nas vistorias, as motofogs para aplicação de veneno contra o mosquito e a reativação do Centro Integrado de Operações Conjuntas da Saúde (Ciocs) foram outras estratégias destacadas. Este último é um espaço que reúne os esforços de diversas instituições do Estado e Município, concentrando atividades de promoção e educação em saúde, vigilância em saúde, vigilância ambiental e o ‘Disque-Saúde’.

Pelo ‘Disque-Saúde’ (0800 280 8 280), a população pode fazer as denúncias de possíveis criadouros, inclusive de imóveis fechados, abandonados ou em construção. O serviço funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Já foram registradas 3.463 denúncias, sendo 2.568 já verificadas. O Ciocs também emite semanalmente o Informe Epidemiológico de infecção pelo zika vírus.

PORTAL DO AMAZONAS.COM

Redação (92) 3877-4538 contato@portaldoamazonas.com
Close