Campanha educativa deve incentivar o uso de moedas no comércio de Manaus

CMM

A falta de moeda circulante no comércio de Manaus irá provocar a realização de uma campanha de conscientização para incentivar a população a ‘liberar’ as moedas dos cofres e trocá-las pelas cédulas de papel. A proposta saiu da reunião realizada, na manhã desta quinta-feira (16), entre a Comissão de Defesa do Consumidor (Comdec) da Câmara Municipal de Manaus (CMM) e os representantes do comércio (Associação Comercial do Amazonas – ACA), bancos (Caixa), lotéricas (Sindicato dos Lotéricos) e de órgão de defesa do consumidor municipal (Procon-Manaus), na Casa Legislativa.

Também ficou definido que a Comissão de Defesa do Consumidor enviará ao Banco Central (BC), por meio do Banco do Brasil, já na próxima semana, um documento pedindo explicações e solução para a falta de moedas em Manaus.

A falta de circulação de moedas, além de notas de baixo valor, como R$ 2, 5 e 10, têm preocupado os comerciantes e agências lotéricas na cidade.

De acordo com o presidente da Comissão, vereador Álvaro Campelo (PP), a decisão é uma forma de encontrar a solução para o problema que afeta o comércio e dificulta o cumprimento da Lei do Troco.

No ano passado, como explicou Campelo, o Executivo Municipal sancionou o Projeto de Lei nº 063/2013, de sua autoria, que obriga a devolução correta e em espécie do troco, em Manaus. Com a lei, os estabelecimentos comerciais de Manaus estão proibidos de substituir o troco em dinheiro por outros produtos como balas e chicletes, sob pena do pagamento de multas.

Ocorre que, como enfatizou o presidente do Sindicato dos Lotéricos, Samuel Silva Azevedo, há aproxidamente seis meses, as lotéricas estão sentido a falta da circulação de moedas. “Sem moedas circulando não tem como passar o troco corretamente”, disse ele.

O comerciante é um dos que defendeu a realização de uma campanha de educação da população, para evitar que continuem a ser taxados de desonestos e de que não querem passar o troco correto.

Samuel disse que criaram uma minicampanha nas lotéricas, incentivando a troca de R$ 100 em cédula por moedas. Na troca, o cliente ganha uma raspadinha.

‘Pequenos’ sofrem

A Associação Comercial do Amazonas (ACA), representada pelo vice-presidente, Ataliba David Antônio Filho, destacou que o pequeno e médio varejo sofre com a falta de moedas. “Para a Lei do Troco ser viabilizada é preciso apoio do Banco Central no abastecimento dos bancos do Brasil (BB) e Caixa”, afirmou. Segundo ele, os comerciantes não podem ser responsabilizados pela falta de troco, se faltam moedas. “Para nós é importante a regularização do meio circulante”.

Representante do Procon/Manaus (Programa Municipal de Defesa do Consumidor), Fabrício Lima garantiu que o órgão já estava pensando em realizar uma fiscalização e apoiou a ideia da campanha de orientação da população.

Cobranças ao BC

Gerente regional da Caixa Econômica Federal, Paulo Afonso Escócio Júnior, garantiu que o Banco do Brasil é responsável para repassar moedas e cédulas para os bancos conveniados, entre eles a Caixa, que os repassa para as lotéricas.

Paulo Afonso disse que, por causa da escassez de moedas, já fizeram cobranças ao BC, mas a justificativa é a de que o custo da logística é maior do que a fabricação de moedas, gerando a dificuldade, o que não é justificável, em sua opinião. Entretanto, diante da dificuldade a Caixa está orientando os clientes a utilização do cartão magnético, para evitar o problema do troco.

PORTAL DO AMAZONAS.COM

REDAÇÃO- (92) 3877-4539 contato@portaldoamazonas.com / socorromaia@portaldoamazonas.com/danielmanauara@portaldoamazonas.com

Related Articles

Check Also

Close
Close