Fotos: Jhonny Lima/SEDUC

Após 43 aulões ao longo do ano, encerrou no último sábado (28/10) o Projeto Amazonas no Enem sem Fronteiras, uma iniciativa do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc), cujo objetivo foi levar conhecimento aos lugares mais distantes com o uso de recursos tecnológicos, como uma forma de preparar os alunos do Estado para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Com transmissão para todo o mundo via Facebook e Youtube, os 13 professores do projeto puderam dar dicas aos alunos que se preparam para o Exame, marcado para os próximos dias 5 e 12 de novembro. Antes do aulão do último sábado, o secretário da Seduc, professor José Augusto de Melo, conversou com os alunos e desejou boas avaliações para todos.

De forma descontraída, os professores da secretaria utilizaram quatro estúdios do Centro de Mídias de Educação do Amazonas (Cemeam) e passaram os “macetes” para os alunos se saírem bem nas provas. Com o término das atividades do ano, o Amazonas no Enem sem Fronteiras deixou um saldo positivo, de acordo com o coordenador do projeto, professor Aldemir Malveira.

“É uma coisa que quando acaba a gente fica querendo que comece logo um novo. Os professores nos procuram para dar novas ideias para o próximo ano”, frisou Aldemir, ao acrescentar que graças à ação dos gestores e coordenadores distritais de educação os alunos passaram a conhecer e assistir aos aulões.

Apesar de o conteúdo ser o mesmo ministrado em sala de aula, o projeto Amazonas no Enem sem Fronteiras tem um diferencial e trabalha em cima da matriz referencial do Enem, com o foco mais direcionado. Enquanto os professores do ensino regular trabalham com habilidades e competências que os alunos precisam ter para poder fazer uma boa prova, os aulões trabalham o subconjunto, um recorte da matriz curricular. Há conteúdos mais profundos sobre algumas competências-chave, tornando as aulas mais direcionadas.

Novidades em 2017 –  Neste ano, o Amazonas no Enem sem Fronteiras ultrapassou as barreiras do Estado, chegando aos lugares mais distantes do País. Tudo isso foi possível devido as transmissões ao vivo pelo Facebook e YouTube. “A sociedade passou a ter conhecimento do aulão por conta das redes sociais, podendo assistir da própria casa. Hoje o aulão é um referencial e indicado como meio de preparação para o Enem”, destacou o professor Aldemir.

A interação dos internautas foi de grande valia para o projeto, mostrando que a transmissão, de fato, ultrapassa as fronteiras do Amazonas. “Tivemos a participação de alunos do Rio de Janeiro, São Paulo, links com a Secretaria de Educação do Espírito Santo e até a participação do secretário de Educação de Goiás”, pontuou Aldemir. Brasileiros que residem na Rússia e até nos Estados Unidos também somaram na interação durante as aulas.

Este ano teve o “Top Ten” dos filmes que os alunos precisam assistir antes de fazer a prova do Enem. De forma descontraída e com a participação de professores conhecedores do assunto e cinéfilos, os especialistas comentaram os filmes de forma contextualizada.

Outra inovação neste ano foram os talks shows, com participação dos alunos nos estúdios do Cemeam.  No último dia do aulão, alguns professores de pós-graduação do UniNorte assistiram a transmissão de dentro dos estúdios com o objetivo de ver como funciona a metodologia pedagógica com a aplicação dos recursos tecnológicos.

O Cemeam – Muito conhecido em todo o País, o Centro de Mídias de Educação do Amazonas também é bem visto pelas secretarias de educação de outros estados, além de ser considerado uma referência no uso de recursos tecnológicos para alavancar a educação do Estado.

Novidade para 2018 – No próximo ano, o projeto Amazonas no Enem sem Fronteiras promete inovar ainda mais na forma de levar o conhecimento a todos os lugares do Estado. E para deixar as aulas mais atrativas, novos cenários externos serão montados para as transmissões dos aulões.

Número de inscritos no Amazonas:

Este ano, 165.077 candidatos dos 56 municípios do Amazonas se inscreveram no Enem. Destes, 59.475 são candidatos de 21 a 30 anos e 31.349 são candidatos de 31 a 59 anos.

Faixa etária:

Menor que 16 anos – 1.641

16 anos – 4.946

17 anos – 18.597

18 anos – 20.579

19 anos – 15.692

20 anos – 12.571

21 a 30 anos – 59.475

31 a 59 anos – 31.349

Maior ou igual a 60 anos – 230

Fonte: Inep

COMPARTILHAR