O Governo do Amazonas já entregou 102 das 110 ambulâncias adquiridas pela Secretaria de Estado de Saúde (Susam) para recompor o sistema de remoção hospitalar da capital e do interior. Dos 62 municípios, faltam receber apenas Coari e Maraã, para quem a entrega está prevista nesta sexta-feira (9/11). As outras seis ambulâncias que restam são para atender a capital. Na última quarta-feira, o município de Amaturá, localizado a 909 quilômetros de Manaus (em linha reta) foi contemplado com ambulância.

A secretária executiva adjunta de Atenção Especializada do Interior, Edylene Pereira, da Susam, ressalta que a renovação da frota de ambulâncias dos municípios resgata a dignidade do serviço de remoção de pacientes, esquecida pelas gestões passadas.

“Estamos concluindo esta missão, após termos identificado a dificuldade que cada um dos municípios tinha em remover pacientes quando precisavam de tratamento fora do seu próprio município. É gratificante ter conseguido contribuir nesse processo, porque de fato era uma situação muito indigna o modo como eles vinham sendo transportados”, ressaltou Edylene Pereira.

A ambulância destinada a Amaturá é do tipo básica, utilizada para o transporte de pacientes considerados de baixa complexidade. Segundo a secretária municipal de saúde, Nazaré Rocha, o veículo chega no momento certo, uma vez que o carro que realiza o serviço na cidade está parado, em manutenção.

Equipadas com UTI – Municípios que têm ligação terrestre com Manaus foram contemplados também com ambulâncias do tipo avançada que, equipadas com Unidade de Terapia Intensiva (UTI), podem transportar pacientes até à capital. São os casos, por exemplo, de Manacapuru, Novo Airão, Itacoatiara, Rio Preto da Eva e Presidente Figueiredo.

“Hoje estamos sem ambulância, porque a nossa vive dando problema, pelo tempo de uso que já tem, gerando um custo alto para o município. Com um equipamento novo, vamos servir melhor a população”, declarou Nazaré Rocha.

UTI aérea – Como Amaturá não é ligada a Manaus por via terrestre, nos casos de pacientes mais graves, que precisam de um atendimento mais especializado, o transporte até a capital ocorre por meio do serviço de UTI aérea, também realizado pela Susam.

De acordo com Nazaré Rocha, em média seis a sete atendimentos de remoção de pacientes são realizados por dia. “São casos de urgência e emergência envolvendo saúde indígena, puérperas, idosos. A gente recebe muito paciente da área indígena”, explicou a secretária municipal de saúde.

Destinação das ambulâncias – Das 110 ambulâncias adquiridas pelo Estado, 78 foram destinadas ao interior e 32 para a capital. Destas, 102 já foram entregues. Das ambulâncias destinadas à capital, dez são para o SAMU, em Manaus, sendo que quatro já foram entregues. As outras 22 ficam reservadas para as unidades e ao serviço de remoção intra-hospitalar da capital.

Além das duas últimas ambulâncias que faltam para  o interior, a Susam programou para a sexta-feira a entrega de dez veículos tipo pick-up para unidades de saúde do interior.

Oriundos de emenda parlamentar do deputado federal Silas Câmara, os veículos estão destinados para os seguintes municípios: Eirunepé, Envira, Humaitá, Presidente Figueiredo, Rio Preto da Eva, Santa Isabel do Rio Negro, São Gabriel da Cachoeira e São Sebastião do Uatumã.

COMPARTILHAR