A origem da Teoria Crítica

A Teoria Crítica surge dentro do contexto da primeira metade do século XX  no  Instituto de Pesquisa Social de Frankfurt , onde diversos intelectuais de esquerda com vertente marxista, buscam se opor a “Teoria Tradicional”, mas precisamente com a publicação do trabalho do ensaísta alemão , publicado por Max Horkheimer em 1937, intitulado Teoria Tradicional e Teoria Crítica.

Vejamos um trecho deste relevante ensaio , onde Horkheimer confronta com veemência a “Teoria Tradicional” :

“Em meu ensaio “Teoria Tradicional e Teoria Crítica” apontei a diferença entre dois métodos gnosiológicos. Um foi fundamentado no Discours de la Méthode [Discurso sobre o Método], cujo jubileu de publicação se comemorou neste ano, e o outro, na crítica da economia política. A teoria em sentido tradicional, cartesiano, como a que se encontra em vigor em todas as ciências especializadas, organiza a experiência à base da formulação de questões que surgem em conexão com a reprodução da vida dentro da sociedade atual. Os sistemas das disciplinas contém os conhecimentos de tal forma que, sob circunstâncias dadas, são aplicáveis ao maior número possível de ocasiões. A gênese social dos problemas, as situações reais nas quais a ciência é empregada e os fins perseguidos em sua aplicação, são por ela mesma consideradas exteriores. – A teoria crítica da sociedade, ao contrário, tem como objeto os homens como produtores de todas as suas formas históricas de vida. As situações efetivas, nas quais a ciência se baseia, não são para ela uma coisa dada, cujo único problema estaria na mera constatação e previsão segundo as leis da probabilidade. O que é dado não depende apenas da natureza, mas também do poder do homem sobre ele. Os objetos e a espécie de percepção, a formulação de questões e o sentido da resposta dão provas da atividade humana e do grau de seu poder.”
— Max Horkheimer, “Filosofia e Teoria Crítica”, 1968.[1]
Podemos compreender desta citação acima que, um dos objetivos da Teoria Crítica é a desconstrução a leitura de mundo pelas teorias tidas como tradicionais , onde estas últimas , demonstrariam que o individuo que faz parte do processo histórico- social de forma passiva, mas de acordo com a idéias de Horkheimer, este mesmo individuo, necessitaria buscar a sua emancipação intelectual para ter a capacidade  de fazer a leitura do mundo em sua volta e assim não ficar a mercê do sistema dominante.

O Instituto de Pesquisa Social de Frankfurt que era financiado e composto pela sua maioria de judeus , precisou ser interpondo dentro do cenário de ascensão do regime anti-semita nazista da alemão dos anos 30 e 40 e, em virtude disso , os dois maiores expoentes da Teoria Crítica , os pesquisadores Max Horkheimer (diretor) e Theodor Adorno, precisam ir para os Estados Unidos , onde adentram em diversos campos do conhecimento, tais como  Comunicação Social, Direito, Psicologia, Psicanálise, Filosofia, Antropologia, Sociologia, entre outras.

 

Close