No Dia Nacional do Teste do Pezinho, Susam alerta sobre a importância do exame

Nesta segunda-feira, 6 de junho, é comemorado o Dia Nacional do Teste do Pezinho. O exame, oferecido gratuitamente na rede pública de saúde, é capaz de detectar precocemente uma série de doenças genéticas e congênitas que, se não forem tratadas adequadamente, podem afetar o desenvolvimento da criança.

Teste-do-pezinho-500x365

Os técnicos da Coordenação Estadual de Triagem Neonatal, da Secretaria Estadual de Saúde (Susam), falam sobre a importância do exame nesta segunda-feira, a partir das 18h, em evento em alusão à data, na Escola Superior de Saúde, da Universidade do Estado da Amazonas (UEA). Na terça-feira, dia 7, apresentam palestra sobre o assunto para os técnicos do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI).

De acordo com a coordenadora do Programa Estadual de Triagem Neonatal, Rosiane Pantoja, o Teste do Pezinho detecta doenças que podem levar a deficiências mentais ou sequelas graves à criança, como por exemplo, o hipotireoidismo congênito, anemia falciforme, fibrose cística, hiperplasia adrenal e fenilcetonúria. Portanto, diz ela, é essencial que todo recém-nascido seja submetido ao exame, do terceiro ao quinto dia do nascimento.

A coordenadora ressalta que deve-se evitar ultrapassar esse prazo, mas a orientação é que, mesmo após o período, a mãe não deixe de procurar o posto de coleta para orientação e realização do teste no bebê. “Quanto mais cedo ocorre o diagnóstico das anormalidades que são detectadas pelo teste, melhor para o tratamento do bebê e para evitar sequelas”, alertou.

Estrutura – Segundo ela, todas as maternidades do estado e município estão aptas a realizar o exame, que já faz parte da rotina, logo nos primeiros dias de nascimento dos bebês. O exame para o Teste do Pezinho também é coletado nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da Prefeitura de Manaus. O material coletado, tanto nas maternidades como nas UBSs, é encaminhado para o Laboratório de Triagem Neonatal da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam), que é referência na análise do Teste do Pezinho para toda a região Norte.

A maioria das doenças detectadas por meio do Teste do Pezinho é assintomática no período neonatal, ou seja, só é percebida quando a criança já estiver com mais idade. Por isto, a importância de realizar a triagem neonatal nos primeiros dias de vida. “Muitas mães ficam receosas quando vão levar o recém-nascidos para fazer o teste, pois normalmente eles choram com a picada da agulha, mas é preciso ter consciência que isso é para o bem do bebê. O teste é muito simples, com a coleta de algumas gotas de sangue do calcanhar da criança”, acrescentou.

As alterações identificadas deverão ser confirmadas por meio de outros exames laboratoriais mais específicos, que darão o diagnóstico final. “Tudo isso deve ocorrer no menor tempo possível, visando reduzir as sequelas que podem ser causadas pelas doenças”, ressalta Rosiane Pantoja.

Referência – O ambulatório da Maternidade Balbina Mestrinho é a unidade de referência para o atendimento e acompanhamento aos pacientes portadores de fenilcetonúria e hipotireoidismo congênito. A FHemoam é a referência no atendimento e acompanhamento para as doenças falciformes e outras hemogloninopatias detectadas pelo exame.

Doenças que podem ser diagnosticadas com o Teste do Pezinho

Fenilcetonúria –  Causada pela deficiência no metabolismo do aminoácido fenilalanina. O acúmulo no organismo pode causar deficiência mental.

Hipotireoidismo Congênito – Causada pela insuficiência do hormônio da tireoide. A falta de tiroxina pode causar retardo mental e comprometimento do desenvolvimento físico.

Anemia Falciforme e outras hemoglobinopatias – Alteração da hemoglobina, dificultando a circulação e podendo afetar quase todos os órgãos. Pode causar anemia, atraso no crescimento, dores e infecções generalizadas.

Fibrose Cística – Doença genética, grave, que afeta as glândulas exócrinas, provocando alterações nos pulmões, pâncreas, fígado e intestino.

Close