FOTO: HERICK PEREIRA/FPS

Dobrar a capacidade das produções agrícolas é a meta das mais de 50 famílias do Assentamento Tarumã Mirim, localizado no ramal do Pau Rosa, na zona rural de Manaus. Nesta sexta-feira (12/01), eles foram beneficiados com diversos equipamentos oriundos do Termo de Fomento firmado entre a Cooperativa Mista dos Produtores Rurais do Tarumã Mirim (Copasa) e o Fundo de Promoção Social e Erradicação da Pobreza (FPS), no valor de R$ 99,8 mil.

Os materiais entregues foram arado, grade aradora, enxada encanteiradora, distribuidor de calcário, roçadeira central e lateral, perfurador de solo, carreta agrícola, sulcador, triturador de resíduos, triturador de ração e roçadeira manual. Entre as culturas agrícolas que devem dobrar a produção neste ano estão a macaxeira e o mamão. Em 2017, a produção foi de 50 toneladas. O presidente da cooperativa, Claudeonor da Costa, afirma que tem a missão de chegar a aproximadamente 80 toneladas até o final do ano.

“Hoje temos mais condições de aumentar essas produções da macaxeira e mamão porque temos maquinários modernos para se trabalhar melhor. Não vamos mais ter perdas. Se fazendo esse trabalho manualmente tivemos tanta produção no ano passado, imagina agora com esses equipamentos. Então, é sempre necessário ter materiais como esses em nosso trabalho porque trazem garantias e boas condições para cada produtor”.

A presidente de honra do FPS, Mônica Mendes, destaca que esses investimentos devem colaborar com o desenvolvimento do setor primário do Estado. “A mecanização no trabalho no campo é muito importante porque aumenta a produtividade e os produtos chegam às nossas mesas com preços mais acessíveis, além de aumentar a qualidade de vida dos produtores. E é isso que a gestão Amazonino Mendes projeta para o nosso Estado”.

 O Assentamento do Tarumã Mirim tem 1.500 hectares de área total, sendo que 300 hectares são de áreas agricultáveis. As culturas mais cultivadas são abacaxi, maracujá, mamão, limão, laranja, açaí, acerola, pupunha, mandioca, macaxeira e hortaliças.

A produtora Esmerinda Alfaia, 59, ressalta que os custos com serviços terceirizados vão diminuir para melhorar o seu trabalho. “A roçadeira que ganhamos vai servir muito porque nesse período de chuva cresce muito rápido o capim. E agora na vamos mais pagar caro para limpar. Assim como os outros equipamentos que vão ajudar a agilizar nosso trabalho”.

COMPARTILHAR