FOTO: Lana Honorato

A Polícia Civil do Amazonas, representada pela delegada Joyce Coelho, titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), falou na tarde desta terça-feira (15/05), durante coletiva de imprensa realizada às 14h30, no prédio da especializada, sobre o cumprimento de mandado de prisão temporária por estupro de vulnerável em nome do aposentado Vagno Rodrigues da Silva, 48, denunciado por abusar sexualmente de duas irmãs, de 11 e nove anos.

De acordo com a autoridade policial, o infrator foi preso pela equipe da Depca na noite da última sexta-feira (11/05), por volta das 22h, na casa onde morava, localizada na rua Santa Luiza, segunda etapa do bairro Compensa, zona oeste de Manaus. O mandado de prisão temporária por estupro de vulnerável, com prazo de 30 dias, em nome de Vagno, foi expedido no dia 28 de março deste ano, pela juíza Patrícia Chacon de Oliveira Loureiro, da Vara Especializada em Crimes contra a Dignidade Sexual de Crianças e Adolescentes.

Segundo a delegada, as investigações em torno do caso foram iniciadas em dezembro de 2017, após denúncias anônimas feitas ao Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) e ao Disque Direitos Humanos (Disque 100), informando que crianças estavam sendo vistas entrando e saindo de forma recorrente da casa de Vagno.

“As crianças passavam o dia na casa do infrator e, por vezes, até dormiam no imóvel. São crianças aparentemente muito carentes. Isso chamou a atenção dos vizinhos, então começaram a surgir as denúncias. A Depca então deu início às diligências, até identificar as crianças e os responsáveis por elas. Na delegacia, as vítimas relataram aos profissionais do setor psicossocial os atos libidinosos sofridos”, disse a delegada.

No momento da coletiva de imprensa, a titular da Depca explicou que a mãe das vítimas, uma mulher de 32 anos, informou que conhecia Vagno há cerca de oito meses, mas alegou não ter conhecimento dos abusos sexuais. Ela declarou que conheceu Vagno na igreja que ambos frequentavam, onde ela foi convidada pelo homem para trabalhar como diarista para ele.

“A mãe levava as crianças para o serviço e, enquanto trabalhava, deixava as crianças brincarem no local. Vagno oferecia alimentos e dinheiro em troca dos abusos sexuais. Ele chegou, inclusive, a fotografar as partes íntimas das vítimas. O aposentado é investigado, ainda, por comercializar drogas e ter envolvimento em furtos. Ele mudava de casa constantemente, pois temia ser localizado pela polícia”, declarou Coelho.

No momento da prisão do infrator, os policiais civis da Depca apreenderam com ele um cartão de memória contendo imagens que ele registrava das crianças. Em depoimento, o infrator negou as acusações. Ele argumentou que apenas auxiliava as crianças nos afazeres dentro da residência e que tais acusações partiram supostamente da irmã de Vagno, por motivos de herança.

Indiciamento: Vagno foi indiciado por estupro de vulnerável. O infrator irá permanecer na carceragem da especializada até o término dos procedimentos cabíveis em torno do caso.

COMPARTILHAR