A Polícia Civil do Amazonas, por meio do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), e Procuradoria-Geral de Justiça do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), representada pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco), realizaram na manhã desta segunda-feira, dia 18, às 9h30, no prédio da Delegacia Geral, coletiva de imprensa para falar sobre o resultado da operação “Personare”, iniciada na última quinta-feira, dia 14, e concluída na tarde de domingo, dia 17, que culminou nas prisões de três integrantes de uma organização criminosa especializada em roubos na modalidade conhecida como “saidinha de banco”.

COLETIVA DRCO_FOTOS ERLON RODRIGUES (7) copiar
FOTO ERLON RODRIGUES

Diogo da Silva Magalhães, 26; o motorista do MPE-AM Manuel Eduardo Ramalho Angelim, 44, e Jefferson Izidoro Ramos, 24, foram presos em cumprimento a mandados de prisão preventiva por organização criminosa e roubo majorado. Na tarde de ontem, durante as diligências, o pai de Diogo, Francisco Enildo Pereira Magalhães, 49, foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo de uso restrito. Isaú Jacó Braga dos Reis, 36, foragido do regime semiaberto do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), foi recapturado ao longo da ação. Os cinco infratores foram apresentados durante a coletiva de imprensa.

Na ocasião, o delegado-geral da Polícia Civil do Amazonas, Frederico Mendes, falou sobre a parceria entre a instituição e o MPE-AM. “Hoje a Polícia Civil tem uma parceira estreita com o MPE-AM e com o Poder Judiciário. Iremos implementar cada vez mais ações como esta, visando à integração de todos os órgãos”, declarou a autoridade policial.

De acordo com os promotores do MPE-AM Cristiane Corrêa e Igor Starling, que atuam no Gaeco e estiveram presentes na coletiva, os infratores tinham como alvo principal pensionistas e membros aposentados do MPE-AM, que sacavam os pagamentos no posto bancário localizado na sede do órgão, no bairro Ponta Negra, zona Oeste. As investigações em torno do caso iniciaram logo depois de uma pensionista ter sido roubada ao chegar na casa dela, após sacar o pagamento no mês de julho, e com a repetição da ação criminosa no mês de agosto, desta vez tendo como vítima um aposentado.

O diretor do DRCO, delegado Guilherme Torres, destacou que no decorrer dos trabalhos, foi constatado que o motorista do MPE-AM, Manuel Eduardo, fazia parte da organização criminosa, passando informações sobre os aposentados ou pensionistas, alvos do bando.

Torres informou que as prisões iniciaram na tarde da última quinta-feira, quando as equipes do DRCO prenderam Jefferson na residência onde ele morava, no bairro Jorge Teixeira, zona Leste da cidade. Na tarde de sexta-feira, dia 15, por volta de meio-dia, os policiais civis prenderam Manuel Eduardo, no prédio anexo do MPE-AM, no bairro Aleixo, zona Centro-Sul da cidade. Na tarde de ontem, por volta das 17h, as equipes do DRCO montaram campana na barreira policial da rodovia estadual AM-010 e interceptaram um veículo modelo Prisma, de cor branca e placas PHF – 1280. Dentro do carro estavam Diogo, Isaú e outros dois indivíduos, liberados após prestarem esclarecimentos.

COLETIVA DRCO_FOTOS ERLON RODRIGUES (14) copiar
FOTO ERLON RODRIGUES

O delegado informou que após a prisão de Diogo, o infrator foi questionado sobre as armas utilizadas pela organização criminosa para cometer os roubos aos aposentados e pensionistas do MPE-AM. Diogo informou aos policiais que as armas estariam com o pai dele, Francisco Enildo, em uma residência situada na Rua Torres Vedras, bairro Colônia Antônio Aleixo, zona Leste da capital.

Em ato contínuo, as equipes se deslocaram à casa de Francisco Enildo, e, ao chegarem no lugar, o homem indicou a localização do armamento. Em uma caixa d’água, na laje da casa de Francisco Enildo, foram encontradas três pistolas, sendo duas calibres ponto 40 e uma de calibre ponto 45. Foram achados, também, quatro carregadores de pistola contendo 64 munições de calibre ponto 40, 16 munições de calibre 45, 18 munições de calibre nove milímetros e dois carregadores de metralhadora.

Guilherme Torres explicou que a partir do levantamento realizado pelas equipes do DRCO foi possível identificar Diogo e Jefferson. Com a prisão de Jefferson os policiais conseguiram, judicialmente, a quebra de sigilo dos dados do celular do infrator e, do aparelho, averiguaram algumas situações, inclusive a participação dele em outros roubos, que ainda estão sendo investigados pelos policiais civis que atuam no departamento.

“Identificamos que Diogo estava cumprindo pena no Compaj no regime semiaberto. Tínhamos a informação de que ontem ele iria pular o muro do presídio e sair do lugar com um Registro Geral (RG) falso e teria apoio de duas pessoas na ação. Fomos até o local e montamos campana. No fim da tarde conseguimos interceptá-los em um táxi. No momento da abordagem, encontramos Isaú, que também pulou o muro da unidade prisional. Isaú Jacó possui sete processos criminais, entre homicídios e roubos”, esclareceu Torres.

O diretor do DRCO disse que existem outras pessoas envolvidas de forma direta e indireta nessa organização criminosa, que comete vários tipos de crimes, como roubos, homicídios e também está ligada ao tráfico de drogas. No caso específico dos dois crimes de “saidinha de banco” tendo como vítimas um aposentado e uma pensionistas do MPE-AM, o trio aproveitou todas as informações repassadas pelo motorista do órgão.

“É bom ressaltar que, para cometerem os roubos, eles fizeram os percursos das vítimas várias vezes. Então eles sabiam exatamente o que iria acontecer. Fica um alerta para todas as pessoas que têm uma rotina, que todo mês fazem o saque em dinheiro e utilizam o mesmo caminho. É sempre bom mudar o horário dos saques e as rotas utilizadas para irem para suas residências”, orientou Guilherme Torres.

A promotora do MPE-AM destacou como iniciaram as investigações em torno da organização criminosa. “Chegou ao MPE-AM o relato da primeira vítima, no mês de julho deste ano. A partir daí a nossa Assessoria de Apoio Institucional de Segurança iniciou investigação com as imagens do circuito interno do posto bancário.  No mês seguinte, já iniciado o Inquérito Policial junto ao DRCO, houve o mesmo fato com outra vítima e o mesmo modo de operação. Então os cuidados em torno do caso redobraram e os trabalhos com o DRCO se afinaram cada vez mais. Nós identificamos quem seria a pessoa dentro do MPE-AM que estaria contribuindo com essa organização criminosa”, relatou Cristiane Corrêa.

A promotora do Gaeco destacou que a partir da identificação de Manuel Eduardo, servidor concursado do órgão, ele foi monitorado no local de trabalho. “Todos os deslocamentos dele eram analisados: condução de documentos, condução de autoridades. Tudo isso foi acompanhado ali, passo a passo, para que se pudesse garantir a integridade de todos que estão envolvidos no caso. Infelizmente Manuel Eduardo era um servidor antigo, gozava de confiança de todos os membros do MPE-AM e dos demais servidores da instituição. Para nós é muito triste ver uma situação dessas, mas em todos os cestos há uma laranja podre, então precisamos fazer essa separação, e é o que está acontecendo”, argumentou Corrêa.

O delegado Thomaz Vasconcelos Dias, que integra a equipe do DRCO, explicou que Diogo, Manuel Eduardo e Jefferson foram indiciados por organização criminosa e roubo majorado. O trio foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM). O delegado informou que foram instaurados outros Inquéritos Policiais (IPs) no DRCO para investigar a participação dos integrantes dessa organização criminosa em outros roubos e, também, com o tráfico de drogas na capital.

Vasconcelos disse, ainda, que Francisco Enildo foi autuado em flagrante por posse ilegal de arma de fogo de uso restrito. Ao término dos trâmites realizados no departamento, o homem será levado para Audiência de Custódia no Fórum Ministro Henoch da Silva Reis, no bairro São Francisco, zona Sul da cidade. Isaú Jacó será reconduzido ao Compaj.

COMPARTILHAR