FOTOS: Michael Dantas/ SEC

A Orquestra de Câmara do Amazonas (OCA) e o Balé Experimental do Corpo de Dança do Amazonas (CDA) dividem o palco em uma apresentação diferenciada no Teatro Amazonas, a partir das 20h da terça-feira (27/02). O evento, promovido pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), terá ingressos ao preço de R$ 50 para a plateia e frisas, e os demais assentos serão oferecidos gratuitamente.

O maestro Marcelo de Jesus, regente titular da OCA, explica que o corpo artístico vai apresentar o repertório “Brasileiros”, que inclui composições brasileiras eruditas de Claudio Santoro, Heitor Villa-Lobos e Edmundo Villani-Cortês. “Faremos a primeira parte do espetáculo com um repertório que já é conhecido e que a orquestra prioriza na sua programação musical. Inclusive, o projeto ‘Brasileiros’ tem composições encomendadas especialmente para a Orquestra de Câmara”, declara o maestro.

A apresentação da OCA terá entre 20 e 25 minutos e, após o intervalo, o Balé Experimental assume o espetáculo com mais uma apresentação de “Plutão (já foi planeta)”, que faz parte do projeto “Alma de um Poeta”, que promove um tributo à literatura amazonense por meio de criações em Dança Contemporânea.  “Plutão” é baseado num poema estilo haicai do autor Aníbal Beça.

“Estamos finalizando no fim de fevereiro todo o projeto ‘Alma de um poeta’ que iniciou no ano passado. Desta vez, para o ‘Plutão’, temos novos elementos, com novos solos, novos duetos e trios, um elenco repaginado. Os bailarinos que já acompanham o espetáculo, e que trabalharam conosco em temporadas, tiveram um crescimento artístico muito grande nesse projeto”, ressalta a diretora artística do Balé Experimental,  Monique Andrade.

Ainda segundo Monique, a apresentação em conjunto de corpos artísticos da SEC torna o evento mais diversificado para o público. “É sempre importante frisar essa parceria, por mais que não haja uma apresentação com os dois corpos no palco, o público tem opção de conhecer diferentes trabalhos culturais em um evento só”, pontua Monique.

COMPARTILHAR