FOTOS: ERLON RODRIGUES/PCAM

Aproximadamente 900 quilos de cocaína pura, avaliados em cerca de R$ 20 milhões, foram apreendidos durante a continuação da operação “Tarrafa”, deflagrada na manhã de segunda-feira, dia 30, por volta das 11h, pelas equipes do Departamento de Investigação sobre Narcóticos (Denarc), e Secretaria-Executiva-Adjunta de Inteligência (Seai) da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), com apoio de integrantes do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera), Delegacia Fluvial (Deflu), e o Canil da Polícia Militar. A ação resultou, ainda, nas prisões, em flagrante, do pescador Pedro Dias Oraco, 42, e Zimar Albino Dantas, 32, por envolvimento com o tráfico de drogas no Estado.

Na manhã desta terça-feira, dia 31, o delegado-geral da Polícia Civil do Amazonas, Mariolino Brito; o diretor do diretor do Denarc, delegado Paulo Mavignier, e o secretário da Seai, Herbert Ferreira Lopes, falaram à imprensa, no prédio da Delegacia Geral, zona centro-oeste de Manaus, sobre a continuidade da operação “Tarrafa”, que culminou na maior apreensão de cocaína realizada no Estado.

Mariolino Brito ressaltou que ao tirar de circulação uma grande quantidade de drogas outras práticas ilícitas precisam ser coibidas e que a polícia está atenta para isso. “A medida que nós apreendemos entorpecentes, também tiramos de circulação pessoas que possam cometer outros tipos de delitos e até pessoas que atuam como funcionários do tráfico de drogas. Nesse caso, a droga é uma catalisadora para outros crimes. Ações que envolvem toda o Sistema de Segurança do Estado estão determinadas a combater essas práticas ilícitas”, declarou o delegado-geral.

De acordo com o delegado Paulo Mavignier, as equipes policiais estavam realizando incursões no Rio Solimões, quando avistaram uma lancha voadeira, com as características das lanchas utilizadas no transporte de entorpecentes, momento em que foi realizada a abordagem. Conforme a autoridade policial, o alicerce da lancha tinha uma elevação, formando uma espécie de porão onde eram armazenados os entorpecentes.

“Durante revista na lancha utilizamos o cão farejador que conseguiu detectar uma sacola. Ao abrirmos o saco verificamos que tinham 10 tabletes de cocaína. Pedro nos informou que foi buscar Zimar por volta de meia-noite do dia anterior, em uma ilha nas proximidades da Comunidade Curari, entre os municípios de Iranduba e Careiro da Várzea, distante, respectivamente, 27 e 25 quilômetros em linha reta de Manaus. Questionados sobre a procedência dos entorpecentes, a dupla indicou o local onde estaria escondido o restante das drogas”, declarou Mavignier.

O diretor do Denarc informou que em seguida, os policiais se deslocaram para a Ilha da Machantaria, na zona Rural de Iranduba. No lugar, os cães farejadores detectaram o local onde estavam enterradas 25 sacolas, contendo 890 quilos de cocaína pura. Paulo Mavignier ressaltou que a droga apreendidas durante a continuação da operação “Tarrafa” tem origem no Peru. “As forças de segurança estão trabalhando de forma intensa no Estado. Realizamos a maior apreensão de cocaína da história do Amazonas. O resultado dessa operação causou um prejuízo de R$ 20 milhões para os criminosos”, declarou o diretor do Denarc.

Seai fez levantamento detalhado

O secretário Herbert Lopes salientou que a Seai realizou um levantamento com o intuito de identificar o tipo de embarcação, os dias e horários que os traficantes realizam o transporte de drogas pelos rios do Estado. “A Seai, por meio das tecnologias de informações que possui, possibilitou informações precisas que resultou na apreensão dessas drogas. O efetivo tem que trabalhar de forma direcionada, pontual e com a informação qualificada acerca dessas questões”, disse o secretário da Seai.

Lopes ressaltou, ainda, que as apreensões de drogas realizadas pela Polícia Civil do Amazonas e os órgãos que integram a SSP-AM fazem parte do novo plano de segurança criado pelo vice-governador e secretário da SSP-AM, Bosco Saraiva, que visa o combate ao narcotráfico no Estado.

Pedro e Zimar foram autuados em flagrante por tráfico de drogas e associação para o tráfico. Ao término dos procedimentos cabíveis no Denarc, os infratores serão levados para o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), onde irão permanecer à disposição da Justiça.

Operação Tarrafa

A primeira fase da operação “Tarrafa” foi deflagrada no último dia 23 de outubro, e resultou nas prisões, em flagrante, do carpinteiro José Vicente Neves de Oliveira, 46; do auxiliar de produção Deyvid Barros Teixeira, 30; Sérgio Roberto Obando, 42, e Emerson Braga da Silva, 25, envolvidos com o tráfico de drogas no Estado. Com o grupo foram apreendidos, aproximadamente, 400 quilos de drogas, entre pasta base de cocaína e maconha do tipo skunk.

A ação envolveu equipes do Denarc, Seai, Deflu, Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Manacapuru, município distante 68 quilômetros em linha reta da capital, Grupo Fera, e o Canil da Polícia Militar. Denominada “Tarrafa”, em alusão a rede utilizada pelos pescadores para apanhar o maior número de pescado, a operação visa realizar abordagens pontuais em embarcações, com o objetivo de coibir o tráfico de drogas pelos rios do Estado.

COMPARTILHAR