Em celebração ao Dia de Finados, nesta sexta-feira, 2/11, e alcançando a média de público esperada, aproximadamente 500 mil pessoas visitaram os seis cemitérios da área urbana da cidade para homenagear familiares e amigos mortos. Para atender a movimentação, a Prefeitura de Manaus mobilizou 16 órgãos e mais de 1,5 mil servidores. Com isso, o dia de visitação transcorreu, normalmente, sem registro de ocorrências graves.

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, acompanhado da primeira-dama e presidente do Fundo Manaus Solidária, Elisabeth Valeiko Ribeiro, se uniu a milhares de fiéis no Cemitério São João Batista, zona Centro-Sul. Todos os anos, Arthur visita o túmulo de seus pais, para ter um momento de reflexão e agradecimento a pessoas que tiveram importância fundamental na sua vida.

“Eu considero que esse é um dia de recolhimento, talvez, superior ao do Natal. Aqui, eu venho todos os anos, à tarde, passo as tardes visitando meu pai, minha mãe, alguns familiares e amigos”, disse o prefeito, acrescentando que há, para ele, uma compreensão cada vez mais forte de que a vida não se acaba quando morremos. “Eu quero acreditar que a gente deva purificar bastante o nosso espírito, praticar boas ações, com mais atitudes dignas, porque depois acredito que tem alguma outra coisa”, afirmou.

Em sua visita ao cemitério, o prefeito estabeleceu uma espécie de roteiro emotivo, visitando vários túmulos. Desde os de seus pais, passando pelo do seu tio-avô Severiano Nunes, dose senadores Jefferson Péres e Fabio Lucena, do jornalista Umberto Calderaro, do ex-governador Gilberto Mestrinho, entre outros. No caminho conversou com vários visitantes.

Ao final, Arthur manteve breve encontro com o arcebispo Metropolitano de Manaus, Dom Sérgio Castriani, que celebrou a tradicional missa campal no Cemitério São João Batista, por onde passaram 100 mil pessoas, aproximadamente, durante todo o dia. “Dom Sérgio é uma pessoa muito querida, para mim e para minha esposa, e faço questão de vir aqui, abraça-lo e desejar a ele muita saúde”, declarou o prefeito.

“É uma celebração de fé, de amor e de esperança. Momento de recordação e reflexão. Que todos possam entender o verdadeiro sentido da vida e, assim, se construa um mundo melhor”, disse o Arcebispo.  A programação religiosa nos cemitérios ficou por conta de diversas paróquias locais, que realizaram missas a cada hora. Além do São João Batista, também receberam celebrações os cemitérios Nossa Senhora Aparecida, Santa Helena, na zona Oeste, e São Francisco, zona Sul.

“Operação Finados”

Aproximadamente 1,5 mil trabalhadores de 16 órgãos da Prefeitura de Manaus estiveram mobilizados na organização do Dia de Finados, divididos nos dez cemitérios da cidade, seis urbanos e quatro rurais. Os locais de visitação contaram com esquema especial de segurança, contenção acidentes, limpeza, trânsito, transporte e assistência social.

Segundo a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana, que administra os cemitérios na cidade, novamente, o mais frequentado foi o de Nossa Senhora Aparecida, no Tarumã, zona Oeste, por onde passaram mais de 350 mil pessoas. Mesmo com o número dentro do esperado, a Semulsp avalia que a movimentação foi um pouco menor este ano.

“Acredito que essa demanda foi diluída pelo feriado prolongado. Nós registramos intensa movimentação ainda na quinta-feira, dia primeiro de novembro, e esperamos muita visitação neste sábado e domingo. Mas, da mesma forma, estaremos preparados e com equipes a postos para atender as pessoas também nestes dias”, comentou o subsecretário de Gestão da Semulsp, Eisenhower Campos.

Após a megaoperação de limpeza que antecedeu o Dia dos Finados, a Semulsp manteve as equipes atuando durante o feriado e, logo após o encerramento, os trabalhos foram retomados. “Mobilizamos cerca de 300 servidores em trabalhos antes, durante e após o Dia de Finados. Tanto dentro dos cemitérios quanto no entorno”, garantiu o subsecretário Operacional da Semulsp, José Rebouças.

 

COMPARTILHAR