FOTOS: Sidney Mendonça

Os jardins do Prosamim enfeitam e dão vida aos parques residenciais, garantindo um ar mais puro e contribuindo para a preservação da natureza. A imagem antiga de sujeira e poluição, que havia nos igarapés, antes de serem trabalhados pelo Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim), do Governo do Estado, deu lugar ao colorido e à beleza de plantas que a própria comunidade cultiva.

Sob a orientação da equipe social da Secretaria de Estado de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Manaus (SRMM) e Unidade Gestora de Projetos Especiais (UGPE), os moradores são incentivados a valorizar e cuidar do meio ambiente, por meio de ações socioambientais que, além da plantação, trabalham a coleta seletiva e a reciclagem.

 Moradora do Prosamim Liberdade há quatro anos, a costureira Gracymar Freitas, 55, conta que começou a plantar logo que chegou ao residencial. “Eu morava com minha família em cima de um igarapé muito sujo, no meio da lama. Sempre gostei muito de plantar, mas lá não tinha como. O máximo que conseguia era improvisar colocando mudas pequenas em latas e potes. Mas aqui no Prosamim considero um paraíso, porque tenho espaço para plantar e toda a vizinhança também se beneficia”, contou a moradora.

Ela, que divide a unidade habitacional com os filhos e netos, cultiva um jardim com plantas frutíferas, ornamentais e medicinais. “Aqui a gente já come banana e goiaba de nossas árvores, faz chá de diversas folhas e, claro, deixa o parque mais bonito e colorido. Tenho o maior prazer em cuidar desse jardim. Eu amo minhas plantinhas, de coração”, declara Gracymar.

A reciclagem é forte aliada na preservação, pois os jardins do Prosamim são compostos também por objetos reciclados retirados das ruas para o reaproveitamento, como pneus, garrafas pet, latas e garrafas. A dona de casa Regina Kelly Campos, 42, aplica as técnicas que aprende no Clube de Mães do Prosamim Mestre Chico. “Frequento as atividades socioambientais da base há quase dois anos e lá, entendemos a importância de preservar. Nas oficinas de artesanato, por exemplo, aprendemos a utilizar pneus, transformando-os em vasos coloridos para nossas mudas”, disse ela, que cultiva plantas como mamoeiro e pimenteira.

Já a artesã Elzulede Nogueira, 41, optou por fazer um jardim em casa, usando garrafas pet. “Dessa forma posso contribuir para termos uma natureza menos degradada e ainda tenho o charme das plantas bem na porta de casa”, vibrou.

COMPARTILHAR