Foto: Amanda Lelis

O Instituto Mamirauá está selecionando seis bolsistas para o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica Sênior (PIBIC). As inscrições seguem até o dia 02 de agosto e são destinadas exclusivamente para estudantes do ensino superior. Podem se inscrever alunos dos cursos de Geografia, História, Ciências Biológicas e outras áreas do conhecimento. Acesse o edital disponível aqui para saber mais detalhes sobre o perfil da vaga.

O programa tem como objetivo contribuir para a formação de recursos humanos para a pesquisa, proporcionar a aprendizagem de métodos e técnicas de pesquisa ao jovem pesquisador, além estimular o interesse pela ciência e desenvolvimento tecnológico.  De acordo com o coordenador do projeto, João Paulo Borges, a experiência proporciona aos jovens estudantes o entendimento de diversos aspectos da ciência. “Nós vemos que, no período de um ano, eles evoluem muito nesse sentido”, afirmou.

Para concorrer às vagas, o candidato deve preencher uma ficha de inscrição disponível na portaria do Instituto Mamirauá e na secretaria da Universidade Estadual do Amazonas – campus Tefé.  Junto à ficha de inscrição devem constar o currículo, cópia do RG, CPF e histórico escolar atualizado. A documentação deverá ser entregue na portaria do Instituto Mamirauá.

Sobre o Programa de Iniciação Científica

Na última semana, 10 jovens do município de Tefé, no Amazonas, apresentaram o resultado final de suas pesquisas. Os estudantes relataram suas conclusões após o trabalho desenvolvimento ao longo de um ano, sob orientação de pesquisadores do Instituto Mamirauá. Nos 14 anos do programa, o instituto – unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) – já recebeu e orientou mais de 300 estudantes em seus projetos no Pibic Júnior, voltado a alunos do ensino médio, e no Pibic Sênior, com foco em alunos da graduação.

Saiba mais sobre o programa, acessando mamiraua.org.br/pibic ou conheça a história de alguns estudantes do programa na edição especial do informativo “O Macaqueiro”.

Fonte: Instituto Mamirauá

COMPARTILHAR