FOTO: DIVULGAÇÃO/FUAM

A Fundação Alfredo da Matta (Fuam), unidade da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), dá início, nesta terça-feira (06/03), de 9h às 12h, ao curso “Atualização de Prevenção de Incapacidades Físicas”. A atividade é a primeira do calendário 2018 de cursos da Fuam e será transmitida diretamente da Sala de Telessaúde, localizada na sede da Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), no período de 6 a 9 de março, para todos os municípios do interior do Amazonas que possuem acesso aos Pontos de Telessaúde.

A atualização tem como público-alvo profissionais das unidades de saúde dos municípios do interior do Estado. Segundo a instrutora do curso, a enfermeira Anete Queiroz, o objetivo é prepará-los para fazer a avaliação neurológica simplificada de olhos, mãos e pés em pacientes diagnosticados com hanseníase, o que vai lhes permitir classificar os graus de incapacidade. “Todos devem aplicar a avaliação neurológica no padrão do Ministério da Saúde, que foi atualizada, seguindo a mesma metodologia. Assim, todos trabalham de forma unificada”, explica Anete.

A atualização a que a enfermeira se refere é aquela realizada em 2016, a qual inclui a força muscular como forma de avaliação do grau 1 de incapacidade física, escala que varia de 0 a 2, dependendo da limitação neural apresentada pelo paciente.

A avaliação neurológica simplificada é realizada para monitorar mudanças no estado do nervo e da função neural, identificar neurites, determinar o tratamento – clínico e cirúrgico – adequado ao paciente, além de monitorar a resposta ao tratamento. É realizada em diferentes momentos, como no diagnóstico e na alta do paciente, a cada três meses, quando há queixas, quando há maior frequência de neurites e reações, além de antes e após intervenções como cirurgias.

A Fundação Alfredo da Matta, como Centro Colaborador da Organização Mundial de Saúde / Organização Pan-Americana da Saúde (OMS/OPAS) para controle, treinamento e pesquisa em hanseníase, é credenciada como referência para a realização de treinamentos e cursos na área. Os cursos são de responsabilidade da Diretoria de Ensino e Pesquisa e realizados por meio do Departamento de Ensino e Pesquisa/Gerência de Ensino da Fuam. São ofertados para profissionais da saúde que atuam na rede estadual e municipal, abrangendo também profissionais do interior do Estado.

Os cursos podem ser presenciais ou realizados via teleconferência. Para este ano estão agendados os cursos básicos em hanseníase, nas áreas de Prevenção de Incapacidades Físicas, Autocuidados e Caciloscopia. Para participar, os profissionais devem ser da rede pública de saúde e ser inscritos pela instituição a qual são vinculados.

Na Fuam, além dos cursos presenciais, a modalidade “Educação à Distância” já é uma rotina. A tecnologia que permite a realização de cursos sem a necessidade de deslocamento de instrutores para o interior ou dos participantes para Manaus também representa economia para os cofres públicos, pois é possível envolver um número maior de profissionais, sem custos com o deslocamento.

Para o diretor-presidente da Fuam, médico Helder Cavalcante, oferecer a capacitação para mais de uma turma simultaneamente amplia o alcance das informações, em menor tempo, além de outras vantagens. Uma delas o fato de que o profissional-instrutor não fica longo período ausente de suas atividades na instituição.

A Fuam possui um Núcleo de Telemedicina e Telessaúde, com a finalidade de coordenar e executar ações relacionadas às Tecnologias de Informação em Saúde. Além disso, também desenvolve projetos de Telemedicina e Telessaúde na instituição, sendo integrante do Telessaúde Brasil Redes – Núcleo Amazonas, através do Polo de Telemedicina da Amazônia / UEA.

COMPARTILHAR