FOTOS: DIVULGAÇÃO/FAPEAM

Apresentar o que foi desenvolvido nos últimos dez anos em termos de cooperação internacional em Ciência, Tecnologia e Inovação entre o Brasil e a União Europeia e disseminar as oportunidades no âmbito do Horizon 2020. Esse foi o objetivo do encontro realizado na terça-feira (04/11), no auditório Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em Brasília, com a participação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

Segundo o diretor técnico-científico da Fapeam, Dércio Reis, o evento permite ampliar o conhecimento sobre as iniciativas da comunidade europeia no campo da pesquisa, além de divulgar as áreas de interesse para aplicação dos recursos que são importantes para o financiamento da pesquisa no Brasil e em outros países.

“A Amazônia é e continuará sendo uma região fundamental para o desenvolvimento da fronteira tecnológica e a solução de problemas que não são somente brasileiros, mas sim do planeta que é nossa única casa, pelo menos por enquanto”, disse.

Sobre o Amazonas em relação à cooperação internacional, Reis citou com exemplo o Programa de Cooperação Internacional GuyAmazon, que apoia a execução de projetos conjuntos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D&I), no âmbito da colaboração científica e tecnológica entre os pesquisadores de instituições de ensino superior e pesquisa do Estado do Amazonas e pesquisadores franceses.

“A partir da cooperação podemos andar mais rápido em áreas prioritárias como clima, meio-ambiente, novos materiais, cidades inteligentes, produção de alimentos, entre outras áreas. Não se trata apenas de trazer recursos para financiamento, mas também recursos humanos altamente qualificados para nossos laboratórios”, explicou.

Projeto – Um dos projetos desenvolvidos com apoio da Fapeam no âmbito do GuyAmazon é do doutor em Horticultura, Charles Roland Clement. Intitulado ‘Saberes científicos e saberes locais sobre a agrobiodiversidade na Amazônia’, a ideia  do trabalho de colaboração brasileira-francesa é realizar um workshop em Manaus para planejar um projeto que elaborará um estado-da-arte sobre a agrobiodiversidade nativa da Amazônia.

Ainda conforme Reis, outro ponto abordado no evento foi à disseminação de oportunidades no âmbito do Horizon 2020. Além disso, as discussões visaram traçar futuros caminhos de cooperação a partir do programa, ainda em construção, Horizon Europe.

“O Horizon Europe vem sendo construído com maiores recursos para pesquisa e inovação (€ 100 bilhões) e um escopo ainda mais abrangente, reunindo grupos de pesquisadores de diferentes países com o objetivo de perseguir alvos claramente definidos. Em 2019 e 2020 serão lançados vários editais, alguns ainda estão em avaliação para serem lançados”, disse.

COMPARTILHAR