Fotos: Lton Santos/ Arquivo Semed

Projetos científicos de professores e alunos de 56 escolas da rede municipal de ensino foram aprovados no edital 001/2018 do Programa Ciência na Escola (PCE) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). Ao todo, 86 projetos de iniciação científica foram selecionados e o resultado divulgado nesta semana.

O edital foi destinado a professores e estudantes do 5º ao 9º ano do Ensino Fundamental e da 1ª à 3ª série do Ensino Médio de escolas públicas municipais de Manaus e estaduais.

Para repassar informações pertinentes e  subsidiar o trabalho de execução dos 86 projetos será realizado na próxima segunda-feira, na Gerência de Tecnologia Educacional (GTE), uma formação voltada aos alunos e professores das 56 escolas contempladas.

Cada projeto aprovado receberá apoio financeiro durante cinco meses e será executado por um professor coordenador e  três alunos. O educador responsável pela execução ganhará um auxílio de R$ 461 e o aluno de R$ 120. Também poderão participar, de forma voluntária, pessoas que queiram contribuir na implementação e desenvolvimento da ação científica.

Os projetos aprovados foram apresentados por unidades de ensino da Secretaria Municipal de Educação (Semed), localizadas tanto na área Urbana quanto na zona Rural de Manaus, e envolvem disciplinas, como Ensino Religioso, Artes, História, Robótica, Informática, Matemática, Geografia, Ciências, Inglês e Língua Portuguesa.

Segundo um dos coordenadores do PCE na Semed, Rosivaldo da Fonseca, o papel fundamental do professor é dar apoio para execução do projeto, tornando o aluno apto para encabeçar e tomar a frente de projetos de iniciação científica nas unidades em que estudam.

Rosivaldo explicou que, após os trâmites legais, os trabalhos serão iniciados. “Esse primeiro momento será de implementação das propostas e  da entrega de documentação. Em seguida, começa a aplicação do projeto propriamente dito nas escolas, com realização de pesquisas bibliográficas, atividades de campo e as aplicações de acordo com a pesquisa que poderá ser feita na unidade ou no entorno”, explicou.

 

COMPARTILHAR