Fotos: Alexandre Fonseca / Seminf

Domingo ensolarado, com temperatura atingindo 31ºC. Na avenida Djalma Batista, zona Centro-sul de Manaus, um pequeno exército da Prefeitura de Manaus comemora o dia de sol, recebido com  entusiasmo porque, dessa forma, as obras de recuperação de drenagem na via podem avançar em ritmo acelerado, abreviando a conclusão da obra e a liberação da via para o tráfego de veículos, transporte coletivo e para o comércio local. O bom tempo é o principal aliado nesse trabalho.

Depois de um sábado tenso e cheio de imprevistos e chuva, que provocaram atraso de algumas horas na programação, a obra na avenida Djalma Batista alcança um estágio importante, com a colocação da tubulação nova e a implantação da galeria subterrânea. Mais de 100 homens e 20 máquinas pesadas se revezam no esforço concentrado realizado, diuturnamente, para a colocação de 40 metros de tubulação, em substituição à velha rede instalada no local há 41 anos.

A obra, que já é delicada e complexa, por estar localizada em uma área de intenso tráfego de veículos e de comércio pujante, com o agravante de envolver uma antiga canalização de igarapé – em cima da qual estão construídos alguns pontos comerciais, incluindo um posto de gasolina – encontrou, ainda, um obstáculo inesperado. Nas primeiras horas da manhã de sábado, de acordo com o prosseguimento das escavações, foi encontrada uma enorme parede de concreto de aproximadamente 3 metros de altura e quarenta centímetros de espessura.

Depois de derrubar a muralha, os engenheiros da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) acharam por bem adotar uma solução de segurança: sete aduelas de 9 metros quadrados, cada, foram colocadas no local, formando uma espécie de túnel ao redor do qual está sendo construída uma retenção tipo rip-rap. A medida, além de um reforço de segurança, também vai possibilitar o desvio do igarapé para dentro dessa construção, seguindo até o canal existente. Os novos tubos de drenagem também desembocam nesse túnel de concreto armado.

Todo o trabalho de instalação das aduelas foi feito na madrugada de domingo e, já pela manhã, começaram a ser instalados os tubos das duas redes de 1m50cm, totalizando 40 metros lineares, que serão conectadas ao túnel formado pelas aduelas por uma parede de concreto.

A Defesa Civil acompanhou todo o procedimento nos últimos dois dias, avaliando as condições dos prédios e detectando a ausência de falhas na estrutura o que permitiu o prosseguimento dos trabalhos. Após a conclusão dessa etapa, a Defesa Civil vai fazer uma nova inspeção, na galeria subterrânea.

O secretário-chefe da Casa Civil, Arthur Bisneto, também está acompanhando o andamento das obras diariamente, desde a última sexta-feira. No domingo pela manhã comemorou a solução dos problemas encontrados no sábado e reforçou a informação de que, nos próximos dias, enquanto durar as obras na Djalma Batista, as faixas exclusivas de transporte coletivos da zona Centro-Sul – avenidas Mário Ypiranga, Umberto Calderaro e Constantino Nery – estão liberadas para o uso comum.

“Reitero mais uma vez, os carros poderão transitar normalmente por elas durante o período da obra. Haverá total liberdade para os veículos transitarem nessas três áreas de faixa azul, que fazem mais ou menos o mesmo percurso da Djalma Batista. Com isso, queremos reduzir os impactos dessa obra na vida dos manauaras”, afirmou Bisneto.

COMPARTILHAR