FOTOS: DIVULGAÇÃO/ARSAM

Na manhã desta quarta-feira (12/09), os membros do Comitê de Obras Públicas Integradas (Copi) estiveram presentes na sede da Agência Reguladora do Serviços Públicos Concedidos do Amazonas (Arsam), situada no boulevard Álvaro Maia, nº 2.357, bairro Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus, para realizar a 11ª Reunião Operacional de Subgrupo para discutir a respeito das invasões em áreas públicas e privadas, segurança, áreas de preservação permanente e áreas de servidão, ou seja, áreas predeterminadas para a instalação de redes de água, esgoto, gás ou eletricidade.

Na ocasião, o 1º Secretário do Copi, Ricardo Lima, falou da importância da integração dos órgãos públicos acerca dos avanços nas tratativas para inibir as invasões tanto na capital, quanto no interior do Estado e definiu a formação de um grupo de trabalho entre Arsam, Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), Gabinete de Gestão Integrada (GGI), concessionárias prestadoras dos serviços de água, gás canalizado, telefonia e eletricidade, para a formulação de um documento que será encaminhado aos órgãos de Segurança Pública do Estado para que executem melhorias do policiamento em locais de vulnerabilidade.

“Durante a reunião de hoje, que contou com a presença dos representantes das áreas de conservação ambiental, responsáveis até mesmo pela reintegração de posse, ficou definida a formulação de um documento que vai descrever as informações referentes à posição geográfica de invasões existentes, das áreas onde há a possibilidade de futuras invasões e sugestões de como inibir novas invasões  com o trabalho do Batalhão de Policiamento Ambiental (BPAM). O Copi estará reunido no dia 28 de stembro  para a primeira apresentação deste documento , quando as devidas alterações serão realizadas antes do encaminhamento para as instituições competentes, como o Ministério Público do Estado (MPE)”, informou Lima.

No encontro, o diretor-presidente de Arsam, Miguel Vital, os representantes da Semmas, GGI, Secretaria de Administração e Gestão (Sead) e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) se manifestaram e pontuaram as ações que já estão sendo feitas no tocante às áreas de servidão, dentro das respectivas competências. E o diretor de Fiscalizações da Semmas, Enéas Gonçalves, acrescentou que a zona norte de Manaus é responsável pelo maior registro de ocorrências de invasões na capital e que a Secretaria providencia um diagnóstico para a identificação da área antes de fazer o procedimento de reintegração de posse.

“Necessitamos do apoio de outros órgãos, como GGI, Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) e Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), para que as nossas ações sejam efetivas. Vamos realizar um mapeamento de todas as áreas invadidas e tentar buscar junto aos órgãos públicos, levando em conta questões ambientais, de segurança e sociais, a melhor maneira de realizar as reintegrações”, conclui Gonçalves.

COMPARTILHAR