FOTO: DIVULGAÇÃO/UEA

O Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) divulgou na segunda-feira, 18, o resultado da seleção para o Mestrado em Engenharia Aeronáutica e Mecânica. Dois alunos egressos do curso de Engenharia Mecânica da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) foram selecionados na pós-graduação, ambos com direito a bolsa de estudos. O resultado saiu no http://www.ita.br/noticias185

O amazonense, Lucas Guimarães e Souza, 23, e o rondoniense Felipe Araújo Bortolete, 22, já começaram a arrumar as malas para a cidade paulistana de São José dos Campos, sede do ITA. Além de serem egressos da mesma universidade, a dupla decola para a realização de um sonho também em comum, de estudar em uma das instituições de ensino superior mais cobiçadas do país, o ITA.

“Desde que entrei na UEA meu objetivo foi chegar ao ITA. Por um momento parecia impossível, mas com muito esforço estou realizando esse sonho”, comemorou Lucas, cuja meta profissional é ter a própria empresa na área de manutenção de aeronaves. “Esse serviço poderá ser pioneiro no Amazonas, onde penso em instalar meu próprio negócio”, acrescentou.

Urutau Aerodesign – Outro ponto em comum entre os jovens está no fato de ambos serem ex-membros do Urutau Aerodesign – projeto de pesquisa e desenvolvimento de aeromodelos da UEA. Para Felipe, o Urutau foi fundamental para abrir as portas do ITA, uma vez que na grade curricular dos garotos consta o desenvolvimento de aeronaves como projeto de pesquisa e extensão. Ademais, o Urutau ficou ‘famoso’ em 2017 depois de desbancar a equipe do próprio ITA na competição nacional do SAE Brasil. Na ocasião, a Urutau ficou em terceiro lugar e a equipe do ITA ficou em quarto, na modalidade advanced.

Para o coordenador do curso de engenharia mecânica da UEA, ex-professor dos garotos e coordenador do Urutau, Antonio Claudio Kieling, a projeção dos ex-alunos demonstra a importância de uma formação de qualidade e de projetos como o Urutau.

“O projeto Urutau permite uma prática real do desenvolvimento de um projeto de aeronave controlada nos moldes da indústria aeronáutica. Ao somar prática com o conhecimento técnico o resultado é formar egressos de alta competência”, avaliou Kieling, ao lembrar que outros egressos da UEA já se destacaram em instituições como a USP, Unicamp, além de universidades de Nova York e da Suécia.

COMPARTILHAR